The Getaway (2016) – Red Hot Chili Peppers

Sem inspiração, RHCP lança a maior mancha de sua discografia

Sabe aquela velha frase: “tem que saber a hora de parar”? Parece que o Red Hot Chilli Peppers nunca ouviu. Lançado quatro anos após o esforçado I’m With You (2011) – que marca a saída do guitarrista John Frusciante, dando lugar a Josh Klinghoffer -, The Getaway é o disco de uma banda cansada, que busca outros caminhos, mas o resultado é pouco criativo e sem atrativos.

O que deixa a nova gravação mais decepcionante é o quanto ela se distancia do som clássico do grupo. Aqueles funks pirados da Califórnia, que não aparecem com a mesma vontade desde Stadium Arcadium (2006), aparentam ter ido embora de vez. Quem toma a frente agora são baladas melancólicas, com um Flea que parece que está reaprendendo a fazer slaps e um vocalista que enfrenta os piores dias de uma depressão.

Red Hot (3)
Flea – baixista estava melhor em De Volta Para O Futuro III do que nesse disco

O novo álbum abre já com seus dois singles. Os charmes de “The Getaway” são a guitarra em eco e as vozes femininas de apoio com um ar digital. O resultado final parece mais com uma música do último disco do Daft Punk que o som do Red Hot. “Dark Necessities”, primeira faixa divulgada do álbum, é onde ouvimos um Flea mais inspirado, tocando uma linha bem característica do seu estilo singular. Klighoffer também toca com sua assinatura, mas falta força para a faixa. É o diagnóstico de que The Getaway não vai emplacar – pelo menos não com a mesma força dos anteriores.

A faixa mais contagiante de The Getaway é sem dúvida “Sick Love”. Tem direito a palminha, coro, notas ligadas cheias de swing e solinhos com notas tremidas criando um ambiente sombrio. Quase despercebido, Elton John toca piano nessa faixa. Outros momentos legais do disco são “Detroit”, onde a banda bem de leve pisa no acelerador, e “Go Robot”, com sua influência dançante dos anos 80.

Red Hot (1)
Foto que resume bem o espírito do disco

The Getaway não traz novidade alguma, não contagia e nem te incentiva a ouvi-lo de novo. Desconsiderando-se o passado do RHCP, é até na média, buscando influências no disco e no pop dos anos 80. Mas, negar quase 30 anos de funk, feito com uma qualidade absurda e uma ótima pegada comercial, não é possível. Em resumo: um disco decepcionante, que nem a produção do DJ Danger Mouse e a mixagem de Nigel Godrich salvam.

 

Ficha Técnica

Artista: Red Hot Chili Peppers

Ano: 2016

Músicos: Chad Smith (bateria e percussão), Flea (baixo, piano, trompete e vocais), Anthony Kiedis (voz), Josh Klinghoffer (guitarra, baixo, teclados e vocais), Danger Mouse (teclados), Elton John (piano), Mauro Refosco (percussão), Anna Waronker (voz) e Beverley Chitwood (voz)

Produção: Danger Mouse e Nigel Godrich

Selo: Warner

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s